23 abr, 2024

Dados do PIB dos EUA e Índice de Preços PCE em Foco

PIB dos EUA e Índice de Preços PCE em Foco
PIB dos EUA e Índice de Preços PCE em Foco

Nesta semana, é esperado que a atenção do mercado esteja voltada para a estimativa inicial do PIB para o primeiro trimestre, que será divulgada na quinta, e para o índice de preços PCE de março, que será divulgado na sexta. A economia dos EUA, que é a maior do mundo, expandiu 3,4% a uma taxa anual ajustada sazonalmente (SAAR, na sigla em inglês) no último trimestre de 2023. De acordo com o modelo GDPNow do Fed de Atlanta, o crescimento se manteve robusto no primeiro trimestre, alcançando 2,9%. Em relação ao índice PCE, a medida de inflação preferida do Federal Reserve, a resiliência nos preços ao consumidor sugere um potencial risco de alta. Na terça-feira, os PMIs S&P Global para abril fornecerão mais informações sobre o desempenho da economia dos EUA à medida que entramos no segundo trimestre.

Uma semana repleta de dados fortes dos EUA pode diminuir as expectativas de cortes nas taxas de juros por parte do Fed, potencialmente mudando o foco da magnitude dos cortes para a possibilidade de não ocorrer nenhum corte neste ano. É provável que esse cenário dê suporte para uma futura apreciação do dólar americano.

Dados do Índice de Preços PCE dos EUA
Dados do Índice de Preços PCE dos EUA

Bill Adams e Waran Bhahirethan, economistas do Comerica Bank, sugeriram na segunda-feira que a estimativa preliminar para o primeiro trimestre provavelmente indica uma desaceleração no crescimento do PIB real, após um aumento anual de 3,4% no quarto trimestre de 2023. Eles preveem uma queda no investimento residencial, especialmente na construção de habitações multifamiliares, enquanto é esperado que os gastos dos consumidores e do governo contribuam positivamente para o crescimento. Além disso, os investimentos de empresas em ativos fixos não residenciais e em estoques provavelmente irão impulsionar o PIB real do trimestre. 

Na sexta, é previsto que a divulgação do índice de gastos com consumo pessoal de março mostre um aumento mensal de 0,3% na inflação. É esperado que o núcleo do índice, que exclui custos com alimentação e energia e é o favorito do Fed, tenha uma taxa de aumento anual de 2,7%, ultrapassando a meta de 2% do banco central.

Sam Bullard, diretor administrativo e economista sênior na unidade bancária corporativa e de investimento do Wells Fargo, observou que a inflação mais firme no início do ano prolongou a jornada em direção à meta de 2% do Fed. Ele prevê que a inflação diminuirá gradualmente, embora desafios como o aumento dos preços de alimentos e de commodities relacionadas à energia possam impedir esse progresso. 

As expectativas do mercado estão alinhadas com a previsão de que o Fed provavelmente não realizará cortes na taxa até a reunião do final do mês e pode até mesmo considerar aumentar as taxas de juros ainda este ano.

O impacto das taxas de juros mais altas em duas décadas é evidente na redução da demanda por novas hipotecas, influenciando os dados de vendas de novas casas em março. É esperado que os dados de terça-feira mostrem um leve aumento por conta das condições climáticas favoráveis. As vendas pendentes de domicílios, que indicam a demanda dos compradores de imóveis, devem diminuir na quinta-feira. 

Na sexta, é esperado que a leitura final de abril sobre a percepção do mercado, que é realizada pela Universidade de Michigan, se mantenha relativamente inalterada, refletindo uma tendência geral estável, e ao mesmo tempo positiva, nos últimos meses.

Situação do EUR/USD Antes do PMI

No pregão europeu, o EUR/USD mostrou sinais de força, ultrapassando os 1,0650 e se tornando positivo no dia. A análise técnica de curto prazo do par indica um momentum de crescimento em direção à recuperação.

Os dados divulgados pela Alemanha na terça-feira revelaram que a atividade comercial do setor privado teve uma modesta expansão no começo de abril. O PMI Composto HCOB subiu de 47,7 para 50,5 em março. Além disso, o PMI composto da zona do euro aumentou de 50,3 para 51,4 durante o mesmo período.

O Dr. Cyrus de la Rubia, Economista-Chefe do Hamburg Commercial Bank, comentou os resultados da pesquisa, dizendo que “a Zona do Euro teve um começo promissor para o segundo trimestre. O PMI Composto HCOB entrou notavelmente em território expansionista”. Ele acrescentou, “Esse crescimento foi impulsionado principalmente pelo setor de serviços, que registrou um aumento adicional. Levando em conta vários fatores, incluindo os PMIs HCOB, nossa previsão do PIB sugere uma expansão de 0,3%”. 

Expectativas de Inflação na Austrália

Dados da inflação da Austrália
Dados da inflação da Austrália

No trimestre de dezembro de 2023 (quarto trimestre), a inflação teve um aumento modesto de 0,6%, resultado em uma taxa anual de 4,1%. Esses números ficaram abaixo dos 4,3% esperados e foram notavelmente mais baixos do que os 5,4% registrados no trimestre de setembro. O indicador de inflação preferido do Banco da Reserva da Austrália (RBA), a média aparada da inflação, teve um aumento trimestral de 0,8%, fazendo com que a medida anual chegasse a 4,2%, o que marca uma queda significativa dos 5,2% registrados no trimestre de setembro.

De acordo com Michelle Marquardt, chefe de estatísticas de preços do ABS, “o IPC subiu 0,6% no trimestre de dezembro, representando uma queda em relação ao aumento de 1,2% no trimestre de setembro de 2023. Isso marca o menor aumento trimestral desde o primeiro trimestre de 2021”. As projeções para o trimestre de março de 2024 (primeiro trimestre) preveem que a inflação geral aumente 0,8%, resultando em uma taxa anual de 3,5%. Também é previsto que a média aparada suba 0,8% no trimestre, levando a uma média anual de 3,8%. 

Se concretizado, isso representaria a média aparada de inflação mais baixa desde março de 2022, ficando muito perto da projeção implícita do RBA. No entanto, a taxa continua elevada, indicando que é improvável que o RBA considere cortes antes de agosto.

Reunião do BoJ: O Que Esperar Deste Evento

O Banco do Japão (BoJ) fará sua reunião monetária entre 25 e 26 de abril de 2024. Na reunião anterior, o BoJ realizou seu primeiro aumento nas taxas de juros de curto prazo em 17 anos, ajustando de -0,1% para um intervalo entre 0% e 0,1%. Além disso, o banco central encerrou sua política de controle de curva de rendimento (YCC, na sigla em inglês) e reduziu suas compras de ativos, interrompendo a aquisição de fundos negociados em bolsa (ETFs) e J-REITs, e mantendo a compra de Títulos do Governo Japonês (JGBs) na mesma escala anterior. 

Essa transição política foi motivada por um resultado robusto nas negociações salariais anuais deste ano (shunto), que sugeriu o potencial para uma relação salário-preço sustentável, se alinhando com a meta do BoJ de alcançar uma inflação “sustentável e estável de 2%”. As principais organizações do Japão concordaram em aumentar os salários em 5,28% em 2024, marcando o maior aumento em 33 anos.

No entanto, os mercados reagiram à postura dovish do BoJ em relação a novos endurecimentos, sinalizando a expectativa para um ritmo mais gradual de normalização política. Apesar de reconhecer os riscos econômicos, o banco central indicou sua intenção de manter condições financeiras acomodatícias num futuro previsível.

O Que Podemos Prever da Próxima Reunião do BoJ?

Taxas históricas do BoJ
Taxas históricas do BoJ

É amplamente previsto que na próxima reunião sejam mantidos os arranjos políticos atuais, refletindo a paciência do BoJ em avaliar ajustes futuros. As expectativas giram em torno da previsão de que possíveis ajustes adicionais nas taxas de juros possam ocorrer nas reuniões de julho ou setembro.

O foco da próxima reunião será o relatório de perspectivas trimestrais do BoJ. Os analistas vão examinar de perto como desdobramentos recentes, como o iene mais fraco e o aumento dos preços do petróleo, impactam a perspectiva de inflação do banco central, preparando o terreno para potenciais movimentos futuros nas taxas de juros.

A especulação do mercado sugere que a previsão do núcleo da inflação para o ano fiscal de 2025 pode ser elevada de 1,8% para 2,0%, com a expectativa de que a divulgação da primeira previsão para o ano fiscal de 2026 gire em torno de 2%.

Embora a inflação do Japão tenha sido ligeiramente moderada em março, as pressões dos preços continuam persistindo acima da meta de 2% do BoJ pelo segundo ano consecutivo, possivelmente dando suporte para os esforços adicionais de normalização.

As declarações recentes do governador do BoJ, Kazuo Ueda, indicam uma probabilidade de aumento nas taxas de juros se a inflação subjacente continuar a subir, juntamente com eventuais reduções nas compras de títulos.

A coletiva de imprensa após a reunião também será monitorada de perto para identificar quaisquer mudanças nas declarações do governador, especialmente em relação às expectativas de inflação e à necessidade contínua de condições monetárias acomodatícias.

Situação do Bitcoin Antes do Halving

O preço do Bitcoin continua sendo um ponto de incerteza, independentemente de eventos significativos como o halving, mudanças macroeconômicas ou outros desdobramentos. Pesquisas sugerem que o halving está pelo menos parcialmente precificado no mercado.

O que pode acontecer com o preço do Bitcoin após o halving?

O halving do Bitcoin é caracterizado como um evento impulsionado pelo varejo, com investidores varejistas percebendo o choque negativo na oferta como benéfico para o preço do Bitcoin. Por conta disso, geralmente há um aumento significativo no número de detentores de BTC após um evento de halving.

Cerca de 150 dias após os halvings anteriores, o número de endereços do varejo que possuíam até 1.000 BTC aumentou em 52%, 37% e 3% em 2012, 2016 e 2020, respectivamente. Essa tendência destaca a natureza impulsionada pelo varejo dos efeitos do halving no ecossistema do Bitcoin.

Atualmente, existem 53,3 milhões de endereços de investidores varejistas que possuem até 1.000 BTC, em comparação com os 2.121 endereços mantidos por “baleias”/investidores institucionais que possuem mais de 1.000 BTC. Se a história se repetir, espera-se que esses números aumentem significativamente após o halving, provavelmente exercendo uma influência positiva sobre o preço do Bitcoin.

Do ponto de vista histórico, o preço do Bitcoin geralmente atinge uma alta histórica aproximadamente 410 dias após um halving. No primeiro, segundo e terceiro evento de halving o preço do Bitcoin atingiu máximas históricas aproximadamente 378 dias, 518 dias e 336 dias depois, respectivamente.

Se a história se repetir, há uma grande probabilidade de o Bitcoin continuar sua trajetória ascendente.

Por outro lado, uma correção acentuada no preço do Bitcoin, ultrapassando o nível psicológico de US$ 50.000 e o transformando em um nível de resistência, poderia invalidar a perspectiva otimista. Nesse cenário, o BTC poderia recuar para o próximo nível de suporte semanal de US$ 45.000.

Social
Recommended
After subscribe