30 abr, 2024

EUR/USD Sob Pressão Com o USD Ganhando Força Novamente

EUR/USD sob pressão com o USD ganhando suporte novamente
EUR/USD sob pressão com o USD ganhando suporte novamente

O par EUR/USD continua na zona vermelha perto do nível de 1,0700, pois está sendo afetado por uma ampla recuperação do dólar americano e por um sentimento de mercado um tanto misto no início da terça-feira. Apesar da recuperação das Vendas no Varejo da Alemanha, o euro não consegue ganhar força antes da divulgação de dados importantes da inflação e do PIB da Zona do Euro.

Gráfico por hora do EUR/USD
Gráfico por hora do EUR/USD

Na perspectiva altista, é esperado que o par EUR/USD encontre sua primeira resistência no nível significativo da SMA (Simple Moving Average, ou Média Móvel Simples) de 200 dias em 1,0803. Ele é seguido por outros níveis de resistência, incluindo o pico de abril em 1,0885 (9 de abril), a máxima de março em 1,0981 (8 de março) e o topo semanal em 1,0998 (11 de janeiro), todos antecedendo a barreira psicológica de 1,1000.

No entanto, um movimento descendente poderia ser desencadeado por um rompimento da mínima de 2024 em 1,0601 (16 de abril), possivelmente indicando um retorno à mínima de novembro de 2023 em 1,0516 (1 de novembro). Posteriormente, os traders podem buscar a mínima semanal em 1,0495 (13 de outubro de 2023), seguida pela mínima de 2023 em 1,0448 (3 de outubro), com possibilidade de teste do nível de 1,0400.

No gráfico de 4 horas, um clima de consolidação está prevalecendo por enquanto. É observada uma resistência inicial em 1,0752, seguida pela SMA com período de 200 em 1,0775. Por outro lado, um suporte inicial está sendo fornecido pela SMA com período de 55 em 1,0679, antes dos níveis principais em 1,0601 e 1,0516. Além disso, o Relative Strength Index (RSI) caiu abaixo de 56, indicando um sentimento neutro.

O GBP/USD Permanece Sob Pressão Por Conta da Recuperação do USD

Gráfico por hora do GBP/USD
Gráfico por hora do GBP/USD

No pregão europeu de terça, o GBP/USD continua caindo rumo ao nível de 1,2500. O par está sendo puxado para baixo por conta do sentimento de risco e da notável recuperação do dólar americano. Com um calendário econômico “leve” na Inglaterra, a atenção agora está voltada para as divulgações de dados intermediários nos EUA.

No gráfico de 4 horas, o indicador Relative Strength Index (RSI) permanece perto da marca de 60, indicando uma força contínua. O GBP/USD está se mantendo acima da SMA com período de 100, no nível principal de 1,2500. Em relação aos possíveis movimentos de preço, acredita-se que a resistência será em 1,2530, o que corresponde ao nível de 38,2% de retração de Fibonacci da recente tendência de baixa.

A próxima resistência será em 1,2560, coincidindo com a SMA de 200 dias. Um fechamento diário acima desse nível poderia atrair compradores, possivelmente gerando um movimento altista rumo aos 1,2600. Na perspectiva baixista, o suporte inicial está no nível de 1,2500, marcado pela SMA com período de 100. O suporte subsequente é observado no nível de 1,2450, representando o nível de retração de Fibonacci de 23,67% e a SMA com período de 50.

O Ouro Continua Lutando com o Nível de US$ 2.330 Com as Atenções Voltadas Para a Próxima Decisão do Fed

Gráfico por hora do XAU/USD
Gráfico por hora do XAU/USD

Na segunda-feira, os preços do ouro fecharam abaixo da crítica SMA de 21 dias, chegando aos US$ 2.336. No começo da terça, em meio a uma perda de força prolongada, o preço do metal precioso testou novamente o suporte da linha de tendência ascendente em US$ 2.330. Nesse contexto, os vendedores devem solidificar suas posições abaixo desse nível no fechamento diário, o que pode sinalizar o começo de uma nova tendência de baixa rumo a SMA de 50 dias em US$ 2.212.

No entanto, um possível suporte está aguardando na mínima da semana passada de US$ 2.291 e no nível psicológico de US$ 2.250. Apesar da tendência descendente no Relative Strength Index (RSI) de 14 dias, que permanece acima da linha mediana, o momentum de baixa nos preços do ouro pode ser restrito. No lado altista, recuperar o suporte transformado em resistência da SMA de 21 dias será um desafio, seguido pela resistência na máxima da semana anterior. Movimentos ascendentes adicionais podem mirar o nível de US$ 2.370 e a máxima de 22 de abril de US$ 2.392.

O Preço do Bitcoin Permanece Preso no Range

Gráfico por hora do BTC/USD
Gráfico por hora do BTC/USD

O fechamento semanal mais recente solidificou o nível de US$ 65.600 como uma resistência formidável para o Bitcoin, deixando a criptomoeda presa entre dois limites críticos: US$ 65.600 acima e um pool de liquidez abaixo, residindo no range entre US$ 60.600 e US$ 59.005. As previsões tendem a um maior potencial de queda no curto prazo. 

Observando o Relative Strength Index (RSI), sua trajetória descendente sugere uma diminuição da pressão de compra, sinalizando um sentimento de baixa crescente, especialmente à medida que ele cai abaixo da marca crucial de 50. Esse sentimento é ecoado pelo indicador Awesome Oscillator (AO), com seus histogramas vermelhos em território negativo, ressaltando o sentimento de baixa predominante.

De acordo com o perfil de volume, a atividade de alta só pode se materializar quando o Bitcoin retrair para o nível de US$ 50.000, conforme indicado pela presença de picos de volume perto desse limite psicológico.

A pressão de venda intensificada pode levar o Bitcoin a testar o pool de liquidez entre US$ 60.600 e US$ 59.005, com uma possível queda adicional se esse nível não fornecer o suporte adequado, podendo causar uma descida em direção aos US$ 50.000.

Por outro lado, um ressurgimento do interesse de compra poderia facilitar uma recuperação no preço do Bitcoin. Estabelecer um fechamento semanal acima de US$ 65.600 como suporte seria um desdobramento positivo, mas seria necessário um rompimento definitivo acima de US$ 72.000 para anular a perspectiva de baixa e sinalizar um momentum de alta.

Em um cenário otimista, o Bitcoin poderia retrair para seu pico anterior de US$ 73.777, possivelmente abrindo caminho para uma nova máxima histórica. Notavelmente, a correlação inversa entre o Bitcoin e o indicador DXY Compare sugere uma reversão potencial na trajetória do preço do Bitcoin, espelhando padrões históricos.

No geral, a interação entre os principais indicadores técnicos e a dinâmica do mercado pinta um quadro cheio de nuances, com potenciais oportunidades e desafios para traders e investidores de Bitcoin.

O USD/CAD Fica Acima dos 1,3650 Antes da Divulgação do PIB do Canadá

Gráfico por hora do USD/CAD
Gráfico por hora do USD/CAD

Durante as primeiras horas do pregão asiático de terça-feira, o par USD/CAD registrou leves ganhos em torno de 1,3665, sendo suportado por uma modesta recuperação do dólar americano (USD) e pressionado pela queda dos preços do petróleo, algo que afeta a moeda canadense, que é ligada a commodities. A atenção do mercado se volta para os números do Produto Interno Bruto (PIB) do Canadá em fevereiro, com os investidores ansiosos para avaliar o desempenho econômico. Além disso, cresce a expectativa para a decisão da taxa de juros do Federal Open Market Committee (FOMC) marcada para quarta-feira.

Em meio a especulações sobre a política monetária do Federal Reserve (Fed) dos EUA, os representantes oficiais expressam relutância em reduzir as taxas, citando riscos potenciais de inflação. Esse sentimento, juntamente com a noção de manter os níveis atuais das taxas de juros ou até mesmo aumentá-las em certos cenários, fortalece o USD em relação à sua contraparte canadense.

A próxima reunião do FOMC deve manter as taxas de juros dentro da faixa atual entre 5,25% e 5,50%. Os investidores monitoram de perto o tom do comunicado do FOMC e a coletiva de imprensa subsequente em busca de pistas sobre a direção futura da política. Uma postura hawkish, ou contracionista, poderia fortalecer ainda mais o USD, enquanto que uma perspectiva dovish, ou expansionista, pode exercer uma pressão descendente.

Com relação à moeda canadense, as expectativas sugerem que o Banco do Canadá (BoC) pode adiar os cortes nas taxas de juros até junho ou julho, dependendo dos dados econômicos. Resultados fracos nos números do PIB de fevereiro podem levar a ajustes antecipados nos juros, influenciando o desempenho do CAD. Além disso, a queda dos preços do petróleo, dada a posição do Canadá como um importante exportador de petróleo para os EUA, pode pesar ainda mais sobre o dólar canadense.

Social
Recommended
After subscribe